fbpx

Entre com sua busca

post

Psicanálise e Arteterapia: Sua Importância

A arte que Freud entendia ser junto a ciência, a mais nobre produção do homem adviria da sublimação das pulsões sexuais e agressivas. Na arte Eros e Thanatos teriam expressão e aceitação. Através do trabalho ou produções artísticas humanas, a pessoa vive as próprias paixões em toda a sua intensidade e expressão.

A arte seria então a libertação das forças impulsivas maneira de ser e fazer o novo, forma de realizar seus desejos e conteúdos intrapsíquicos reprimidos.

O aspecto mais conhecido da arte da antiguidade grega é talvez, o seu amor pela beleza ideal, expressa sobretudo na escultura. As estátuas do período clássico enquanto se constroem os edifícios da acrópole de Atenas, mostram os deuses e os homens com uma grande harmonia nas suas proporções, excelente técnica de trabalho e uma boa expressão do espírito perfeccionista dos gregos e sua afeição ao belo. Os gregos transformaram tantas coisas em obras de arte que anteciparam e influenciaram muitas formas artísticas.

Foram os gregos da idade clássica, que insistiram em separar o “mito” (mythos) dos modos de discursos mais racionais e objetivos (logos).  É possível que o mito seja uma maneira de falar acerca do mundo capaz de atingir espaços que outros discursos não conseguem atingir. É útil pensar através dos mitos que as pessoas gostam de mitos, até precisam deles.

Freud viu os mitos, tal como os sonhos, como expressões codificadas do inconsciente, no entanto, ao contrário dos sonhos, eles são partilhados em público. Se puderem ser compreendidos, afirma o Freud, nós ganhamos acesso ao nível da mente humana que é a chave para a saúde mental. Os mitos são uma pista para a nossa própria história psíquica. Invocou o mito de Electra que amava tanto o pai que matou a mãe, e o de Narciso que gostava tanto de si próprio que voltou costas à vida social. No trabalho “impulso de vida e morte” aplicou as palavras gregas que significam “Eros e Thanatos”, como palavras chave.

Ainda Freud tinha estudado a peça de Sófocles “Rei Édipo”, o Fascínio que a peça tinha para ele encaixou eventualmente no lugar próprio à medida que suas teorias psicanalíticas progrediam. Então, sua primeira grande obra “Interpretação dos sonhos (1900)”, refere como prova virtual a passagem de Sófocles em que Jocasta tranquilizou Édipo: 

“quanto ao casamento com a tua mãe, nada temas. Muitos homens antes de ti partilharam em sonhos a cama se sua mãe”.

Édipo tem sido talvez o mais estudado e referido de todos os mitos gregos. No entanto assistimos a tudo isto no teatro grego e os nossos olhos fascinam-se. Não se cerram os ouvidos nem se vira a cara: a tragédia exige que vejamos e ouçamos o pior. Não ficamos contudo traumatizados durante toda a vida com a experiência nem perdurados com o horror. Vivemos e sobrevivemos no final da peça deixamos o teatro e voltamos à vida real. O significado especial da tragédia grega nos nossos tempos reside na experiência da sobrevivência.

As obras de artes (quadros de pinturas, cerâmica, esculturas, fotografias, imagens publicitárias, mitos, contos, novelas, filmes cinematográficos) correspondem ao obscuro conhecimento dos fatores psíquicas reprimidos no inconsciente  (Freud 1901).

O método da interpretação psicanalítica sobre as obras de arte, o Mathieu (1967), faz uma analogia com a interpretação do sonho na situação da cura psicanalítica. Com alguma certeza e forte convicção entendemos que num tema de arte, sobretudo quando apresentando pelo talento de um artista de singular força, é uma escolha feliz para a população a que dedicamos a mostra. Nele, juntam-se afeto e emoção ao valor artístico com grande facilidade de compreensão e de assimilação pelo público que vai prestigiar, o tema de arte com a sua presença . Todos acreditamos que o desenvolvimento da sensibilidade, o aprender a vez e escutar, e o incentivo à produção artística são fundamentais para a formação da pessoa.

Freud nunca prentendeu explicar a arte e sim utilizou dela para tentar entender o mundo psíquico. Chegou, mais uma vez, o momento do CEFAS apresentar o curso de Especialização em Psicanálise e Arteterapia : Teoria, Técnica e Prática, registrado no MEC e que tem por objetivos :

  • Levar o aluno a conhecer a Arteterapia de orientação psicanalítica para atuar na área terapêutica focada no trabalho de clínica privada e diversas instituições;
  • Propiciar conhecimento e reflexão sobre a arteterapia trabalhando com contos, música, pintura, desenho, e mitos gregos;
  • Oferecer uma estrutura básica teórica instrumental e vivencial que capacite o profissional a desenvolver um trabalho de arteterapia psicanalítica em sua área de orientação em diversos contextos: Psicoterapia, reabilitação, psicopedagogia e com populações distintas: crianças, adolescentes, adultos, terceira idade e grupos.

Saiba mais sobre o curso

No Comments

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.