fbpx

Entre com sua busca

30° Simpósio CEFAS

26 DE JUNHO DE 2021

Sábado, das 9h às 17h30h

 EVENTO ON-LINE  

“O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.”

Fernando Pessoa

Contexto

Desde sua origem, a Psicanálise entrecruza seus sentidos com a mitologia, a arte, a literatura e a filosofia, questionando a hegemonia da razão e abrindo espaço para a subjetividade humana, ocupando o seu lugar em nosso mundo e cultura e impregnando-os com os seus conceitos e postulados. Freud foi profundamente influenciado pela tragédia e mitos gregos – Édipo, Narciso, Eros, Psiqué… -, “analisou” obras de Leonardo da Vinci e Michelangelo, e encontrou em Shakespeare e Schopenhauer elementos que contribuíram para a fundamentação da Psicanálise. E esta, por sua vez, impactou profundamente a arte e a cultura dos séculos XX e XXI, influenciando áreas como as artes plásticas, com Salvador Dalí, André Breton, Magritte, Tarsila do Amaral… – o cinema, com Luís Buñuel, Bergman, Guilhermo Del Toro, Alejandro González Iñárritu… – o teatro, com Beckett, Pirandello, Ionesco, Gerald Thomas… – a dança, com Pina Bausch e Merce Cunningham… – e a literatura, com James Joyce, Virginia Wolf, Clarice Lispector, Fernando Pessoa… – inspirando e instigando processos do inconsciente, arrojo criativo e desconstrução de convenções.
É nesse contexto, assim, que trazemos o 30° Simpósio do CEFAS, focando FERNANDO PESSOA – poeta, filósofo, dramaturgo, ensaísta, tradutor, astrólogo e crítico literário, que encarnou como poucos a alma, a sensibilidade, o sofrimento e a subjetividade humana.
Caso único na literatura mundial, escreveu sob heterônimos como Ricardo Reis, Álvaro de Campos, Alberto Caeiro e Bernardo Soares. Enquanto muitos escritores inventaram máscaras pelas quais falavam, Fernando Pessoa inventou poetas inteiros. Cada um tem sua própria biografia e traços de personalidade. 

Os poetas eram “indivíduos diferentes”, cada qual com seu mundo, desdobramentos do “eu” poético de Fernando Pessoa, configurando-se como outros “eus” dotados de visão própria e representando o que angustiava ou encantava seu autor.
Considera-se que a grande criação estética de Pessoa foi justamente essa invenção heteronímica que atravessa toda a sua obra. Os heterônimos, eus que, em princípio falsos, se tornam verdadeiros através da manifestação artística própria e diversa do seu autor – o eu profundo.
A respeito disso tudo, o próprio Fernando Pessoa pontua: “Passo agora a responder à sua pergunta sobre a gênese dos meus heterônimos. Começo pela parte psiquiátrica. A origem dos meus heterônimos é o fundo traço de histeria que existe em mim. Não sei se sou simplesmente histérico, se sou, mais propriamente, um histero-neurastênico. Tendo para esta segunda hipótese, porque há em mim fenômenos de abulia que a histeria, propriamente dita, não enquadra no registro dos seus sintomas. Seja como for, a origem mental dos meus heterônimos está na minha tendência orgânica e constante para a despersonalização e para a simulação. […]”
Em Fernando Pessoa e em cada um de nós há uma parte mais superficial que pode ser observada se movendo, agindo, comportando-se. Que se relaciona com o princípio de realidade e que atende às suas exigências. E há uma parte profunda, constituída por uma multiplicidade de estados psicológicos ou eus que se sucedem e se movimentam qual um rio subterrâneo ou qual as correntes de água no profundo do mar. É a respeito destes múltiplos eus de que se trata este simpósio. Os de Fernando Pessoa e os nossos.

30° SIMPÓSIO INTERNACIONAL CEFAS

``FERNANDO PESSOA EM PSICANÁLISE: O eu profundo e os outros eus``

INSCRIÇÃO ON-LINE

OBJETIVOS DO SIMPÓSIO

- Investigar a profunda complexidade da heteronímia de Fernando Pessoa, e em que dimensão a dinâmica dos seus muitos eus podem representar um referencial que auxilie na compreensão da fragmentada e caótica subjetividade contemporânea.

- Refletir sobre a maneira própria que Fernando Pessoa lidou com as suas angústias e cisões internas, e o que essa lida, caminhos e expressões que encontrou podem contribuir com o fazer psicanalítico.

-Indicar de que forma o fazer psicanalítico pode lidar com as angústias tão comuns à subjetividade pessoana e de todos nós.

- Trazer, ainda, uma série de elementos que visam auxiliar o participante do simpósio a navegar psicanaliticamente pela obra de Fernando Pessoa.

PÚBLICO-ALVO

O evento é dirigido a estudantes e profissionais atuantes em Psicanálise, Psicologia, Psicoterapias, Psiquiatria e outras áreas afins ao trabalho com saúde mental. Também é dirigido a estudantes e profissionais de Letras, Literatura, Arte, Cultura e a todas as pessoas sensíveis.

EVENTO ON-LINE

Transmissão ao vivo na sua tela, através de plataforma interativa.
Você presente, onde quer que esteja

CERTIFICADO DE PARTICIPAÇÃO

Emissão de certificado aos participantes do evento

PROGRAMAÇÃO

|9h00-9h10| ABERTURA

Mediação por VAGNER COUTO, coordenador executivo do Simpósio.


|9h10-10H50| O “TRANSBORDAMENTO” DE HETERÔNIMOS EM FERNANDO PESSOA: POR UM FIO DA PSICANÁLISE

por LUCIA SERRANO PEREIRA (Porto Alegre/RS) – Psicanalista, membro da Associação Psicanalítica de Porto Alegre, do Instituto APPOA e da Association Lacanienne Internationale. Doutora em Literatura Brasileira e Pós-doutora em Psicologia Social e Institucional pela UFRGS. Autora dos livros “Um narrador incerto entre o estranho e o familiar – A ficção machadiana na psicanálise”, “Que queres tu de mim?”, “O conto machadiano, uma experiência de vertigem” e “‘A cartomante’ e a vertigem”. Coautora dos livros “A ficção na psicanálise – Passagem pela Outra cena” e “Contos de psicanálise”.


|10h50-11h05| INTERVALO


|11h05-12h50| FERNANDO PESSOA – HOMOEROTISMO, PSICANÁLISE, SUBLIMAÇÃO

por DURVAL CECCHINATO (Campinas/SP) – Psicanalista, é autor dos livros “Fernando Pessoa – Homoerotismo, psicanálise, sublimação”, “A clínica da psicose”, “Homeopatia e psicanálise”, “O louco, o psiquiatra e o psicanalista” e “Psicanálise de pais – Criança sintoma dos pais”, entre outros. Cursou Psicologia na Universidade de Louvânia, na Bélgica, e na Universidade Louis Pasteur de Estrasburgo, na França. Foi membro da École Freudienne de Paris e co-fundador do Centro de Estudos Freudianos – CEF, primeira sociedade de psicanálise lacaniana do Brasil. Também estudou Filosofia e Teologia no Brasil. Foi professor no Departamento de Psiquiatria e Psicologia Médica da FCM da Unicamp e na Universidade Metodista de Piracicaba.


|12h50-14h00|  ALMOÇO  


|14h00-15h35| A MELANCOLIA COMO FORMA DE ESTAR NO LAÇO SOCIAL – “A PASSAGEM DAS HORAS”

por MARCIO GARRIT (Rio de Janeiro/RJ) – Psicanalista, Mestre em Psicanálise, Saúde e Sociedade pela UVA/RJ e doutorando em Psicologia Clínica pela PUC/RJ. Bacharel em Filosofia pela UNISUL/RJ e Professor do CEFAS. Membro da SPID – Sociedade Psicanalítica Iraci Doyle/RJ. Pesquisador da cultura contemporânea e psicanálise. Ultimas publicações: “O mal-estar, as pequenas diferenças e a agressividade” e “Freud e o perigo na formação das massas”.


|15h35-15h50| intervalo


|15h50-18h00| “SUPERVISÃO CLÍNICA” O POETA NO DIVÃ

Uma vivência de análise e supervisão tendo como ”caso clínico” o POEMA EM LINHA RETA, do heterônimo Álvaro de Campos (Fernando Pessoa) e “análise clínica” do poema PRESSÁGIO, de Fernando Pessoa.


Palestrante atualizado


supervisão por CARMEN FABRIANI (Campinas/SP) – Psicanalista, professora e Supervisora do CEFAS, psicóloga, doutora em Psicologia Social pela USP, pesquisadora colaboradora do Laboratório de Psicologia Socioambiental e Intervenção do IP/USP, docente do Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino FAE e pesquisadora da Academia Magdalena – Pesquisa e Pós Graduação Franca/SP e Assis Brasil/AC.

+ DEBATEDORES:  participação no grupo base de debatedores do caso, os alunos Rose Guglielminetti, Lister Duarte, Eronildes Bornia, Igor Capelatto e Yara de Barros.


|18h00|  ENCERRAMENTO


Atividade Complementar - 07/AGO 10h

Atividade totalmente gratuita para os participantes do 30° Simpósio CEFAS

Palestra on-line: “ARTE E MÍSTICA EM FERNANDO PESSOA – UMA RELEITURA PSICANALÍTICA” – Antonio Muniz de Rezende

Pré-lançamento do livro “ARTE E MÍSTICA NA EXPANSÃO DO UNIVERSO MENTAL SEGUNDO BÍON”

O prof. Rezende é psicanalista, membro efetivo da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBPSP), doutor em Filosofia pela Universidade Católica de Louvain, na Bélgica, doutor em Teologia pela Pontifícia Universidade São Tomás de Aquino, em Roma, professor titular aposentado da Unicamp, profundo estudioso de Bíon e autor dos livros “Bion e o futuro da Psicanálise”, “A questão da verdade na investigação psicanalítica” e “A identidade do psicanalista”, entre outros.

SECRETARIA DO SIMPÓSIO

Telefone: (19) 3252 7521
Whats App: (19) 99165 3538
Email: [email protected]

REALIZAÇÃO

CEFAS – Centro de Formação e Assistência à Saúde

COORDENADOR EXECUTIVO
Vagner Couto – Formando em Psicanálise pelo CEFAS. Já coordenou a realização de mais de 50 simpósios e outros eventos psicanalíticos e de saúde mental junto a instituições como Associação Brasileira de Psicoterapia de Grupo, Núcleo de Estudos Psicológicos da Unicamp, Sociedade Psicanalítica de Campinas, Sociedade de Psicoterapia Analítica de Grupo de Campinas, Sociedade de Psicologia de Campinas, Sociedade de Medicina e Cirurgia de Campinas – Departamento de Psiquiatria e CEFAS. É escritor, jornalista e produtor cultural. Tel. 19 99760 0201 – [email protected]

COORDENAÇÃO GERAL
Prof. Dr. Antonios Terzis – Diretor acadêmico do CEFAS. Psicanalista de grupo e individual, doutor pela USP, mestre e especialista pela Universidade Paris VII (França), psicólogo pelo Centro de Psicologia Athenas (Grécia), ex-docente da pós-graduação na PUC-Campinas, autor e orientador de diversas dissertações e teses de doutorado, professor convidado da Famema e UFSCar, ex-presidente da Flapag, bolsista pelo Itamaraty-CNPq e Especialista em Psicologia Clínica e Pesquisa Científica pela UnB.